(62) 3956-7600     Segunda à sexta-feira das 9 às 17 horas    

Provimento 88 proporciona maior segurança jurídica para os negócios no Brasil

10 de março de 2020

Por Igor França Guedes

Desde último mês de fevereiro, os cartórios extrajudiciais de todo o País também irão atuar no combate à corrupção e ao financiamento do terrorismo. Esta atuação constitui uma determinação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por meio da edição do Provimento nº 88, publicado em outubro de 2019. A norma do CNJ determina que cabe aos notários e registradores implementar as políticas de prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo de acordo com o volume de operações e porte da Serventia.

Dentre dessa estratégia, cabe aos serviços notariais e de registro: a) realizar diligências para a qualificação dos clientes, beneficiários finais e demais envolvidos nas operações que realizarem; b) obter informações sobre o propósito e a natureza da relação de negócios; c) identificar as operações ou propostas de operações suspeitas ou de comunicação obrigatória; d) contribuir para mitigar os riscos de que novos produtos, serviços e tecnologias possam ser utilizados para a lavagem de dinheiro e para o financiamento do terrorismo; e e) verificar periodicamente a eficácia da política e dos procedimentos e controles internos adotados.

Para atender às exigências determinadas pelo referido Provimento, os notários e registradores devem informar as operações suspeitas à Unidade de Inteligência Financeira (UIF), pelo site do Sistema de Controle de Atividades Financeiras (SISCOAF). O CNJ considera como passíveis de configurar indícios de lavagem de dinheiro ou financiar o terrorismo, as seguintes operações: não tiver origem ou fundamentação econômica ou legal claramente aferíveis; incompatível com o patrimônio ou com a capacidade econômico-financeira do cliente; impossibilidade de identificar o beneficiário final; quando envolverem pessoas jurídicas domiciliadas em jurisdições de alto risco, conforme o Grupo de Ação Financeira contra a Lavagem de Dinheiro e o Financiamento do Terrorismo (GAFI/FATF), entre outros.

Com a medida publicada pelo CNJ, fica evidente a preocupação do Poder Público em inserir os cartórios na Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (ENCCLA). Criada em 2003, a ENCCLA consiste em uma rede de órgãos dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário das esferas federal e estadual para discutir e formular políticas públicas para o combate à corrupção e lavagem de dinheiro. Uma vez que a atuação dos notários e registradores é inserida nessa rede, os órgãos de investigação e, também, o Poder Judiciário poderão ter acesso à informações essenciais sobre operações suspeitas realizadas diariamente nos cartórios localizados em todo território nacional.

A atuação dos cartórios extrajudiciais inseridos no combate à corrupção, lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo configura um comprometimento assumido por todas as esferas do Poder Público com a legalidade e com a probidade. Com esse compromisso firmado, o Brasil passa não só a atender às recomendações do GAFI/FATF, adotando os padrões internacionais de combate a esses crimes, mas também a fechar uma brecha no ordenamento jurídico que possibilitava que negócios e atos ilícitos transparecessem legais, ao serem lavrados em cartórios extrajudiciais. Com a medida, o Brasil repara, enfim, sua imagem no cenário internacional, como um país que proporciona um ambiente de negócios com maior segurança jurídica e integridade.

*Igor França Guedes é Oficial do Registro de Imóveis da 1ª Circunscrição de Goiânia (1ºRIGO) e presidente do Sindicato dos Notários e Registradores do Estado de Goiás (SINOREG/GO), da Associação dos Titulares de Cartórios de Goiás (ATC-GO) e do Colégio Registral Imobiliário de Goiás (CORI-GO).

Este artigo foi originalmente publicado no Portal Rota Jurídica.